Vereadores de Ouricuri reprovam requerimento solicitando que a prefeitura preste contas da obra da praça do centro

 O município de Ouricuri, é reconhecido pela beleza das praças sempre muito bem arborizadas, é tradicional na região as avenidas principais manterem grandes árvores, o que ajuda muito em dar sombra para quem vai ao centro comercial em dias quentes. Desde o fim de 2020 o prefeito Ricardo Ramos deu início à reforma da Praça da Avenida Fernando Bezerra, no projeto não tem espaço para as árvores existentes no local. Isso gerou uma insatisfação popular. Um grupo de pessoas de várias áreas defende a preservação, foi criada uma comissão que busca uma forma de manter as  árvores na praça.

Na reunião dessa terça-feira (26), os vereadores da situação, reprovaram um requerimento dos vereadores opostos. Rogério da Aldeia; Williane Matos (que não esteve na reunião); Esdras Parente e Massilon Inácio, solicitaram que o prefeito preste contas sobre os gastos com a reforma da Praça e que coloque a placa informativa sobre os valores, contendo informes sobre de onde vem os recursos e qual a empresa que faz a obra, se é contratada, informar a modalidade da contratação ou processo licitatório. Mas o requerimento foi reprovado.

“Lá no local eu vi que tem uma placa, mas não tem todas as informações nem quem é o técnico responsável e nós queremos que o prefeito passe as informações para população tendo em vista, que Ouricuri, é uma cidade no sertão de Pernambuco com clima muito quente. E uma explicação sobre a derrubada das Árvores, acho que a cidade precisa de um projeto para incentivar a arborização e não tirar as árvores que já são poucas”, disse o vereador Rogério da Aldeia.

Sobre as árvores, o diretor de meio ambiente Isaac Varela explicou em recente entrevista que as que seriam derrubadas, eram apenas as Algarobas, ele afirmou que por serem árvores exóticas, não provocariam impactos ambientais.

“A derrubada dessas Árvores tem gerado polêmica, mas elas não trazem nenhum impacto ambiental, por serem árvores exóticas e não nativas, inclusive algarobas são usadas para matriz energética de pizzaria, padaria e não trazem nenhum tipo de dano pra gente, o que eu vejo lá é um projeto muito bonito de revitalização dessa praça e não vejo motivo para tanta polêmica”, disse ele, na oportunidade. (Cidinha Medrado)

Secretários de 18 estados pedem ao Congresso prorrogação do auxílio emergencial

Secretários da Fazenda de 18 estados brasileiros enviaram uma carta ao Congresso Nacional na noite desta sexta-feira (22) em que defendem a prorrogação do pagamento do auxílio emergencial no Brasil.  “A continuidade de tal medida é essencial para não colocar milhares de famílias em situação de fome e desamparo social, manter o nível do consumo, evitando a paralisia da atividade econômica e, consequentemente, a arrecadação dos tributos, principalmente do ICMS, principal imposto estadual”, afirmam os representantes dos estados.

Além disso, pedem também a prorrogação do estado de calamidade pública e do orçamento de guerra por seis meses, a suspensão do pagamento de precatórios e a manutenção da suspensão dos pagamentos de amortização e juros à União.

A carta é enviada em nome do Comitê dos Secretários da Fazenda dos Estados e do DF (Comsefaz) e assinada por secretários dos estados: Piauí, Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rondônia, Roraima, Sergipe e Tocantins.

Auxílio emergencial Foto: Marcello Casal Jr / Agência Brasil

CCJ do Senado aprova projeto que libera porte de armas de fogo na zona rural

A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do senado aprovou, na tarde desta quarta-feira (29), projeto que autoriza a aquisição e libera o uso de arma de fogo para residentes de áreas rurais.

A proposta, de autoria do senador goiano Wilder Morais (PP), promove alteração no Estatuto do Desarmamento (Lei 10.826/2003) — lei que regula o comércio e o porte de armas de fogo no país — e foi aprovada por 11 votos favoráveis e cinco contrários.

Segundo o autor, em geral, as áreas rurais do país estão distantes dos postos policiais, o que deixa seus moradores vulneráveis a ataques de criminosos e animais silvestres. Com o apoio do relator, senador Sérgio Petecão (PSD-AC), o projeto recebeu decisão terminativa.

Se aprovado, seguirá para votação na Câmara Federal, a menos que haja recurso para votação no Plenário do Senado.

O texto impõe condições para os residentes na zona rural conquistarem o direito à posse de arma. Além de serem maiores de 21 anos, eles precisarão apresentar documento de identificação pessoal, comprovante de moradia em área rural e atestado de bons antecedentes.

Plebiscito

Wilder Morais (PP) é autor de um Projeto de Decreto Legislativo (PDS) 175/2017 que propõe a convocação da consulta para o mesmo dia das eleições de 2018 com objetivo de ouvir a população sobre a revogação do Estatuto do Desarmamento.

No plebiscito, pelo projeto do senador, o cidadão responderia “sim” ou “não” a três perguntas. A primeira seria: “Deve ser assegurado o porte de armas de fogo para cidadãos que comprovem bons antecedentes e residência em área rural?”. A segunda: “O Estatuto do Desarmamento deve ser revogado e substituído por uma nova lei que assegure o porte de armas de fogo a quaisquer cidadãos que preencham requisitos objetivamente definidos em lei?” A terceira, quase idêntica à anterior, substitui apenas “o porte de armas” por “a posse de armas”. (Do Jornal O Globo)

Programa ‘Nenhuma Pernambucana sem Documento’ realiza ação em Araripina

Mais uma ação do programa ‘Nenhuma Pernambucana sem Documento’ será realizada nesta quinta-feira (28), das 8h às 13h, na biblioteca da Faculdade de Formação de Professores de Araripina (Fafopa), no Sertão de Pernambuco. A campanha estadual visa a expedição imediata do documento de registro civil para recém-nascidos e a normalização dessa documentação para mães que ainda não são registradas.

No dia, poderão ser solicitadas as segundas vias de RG, certidão de nascimento ou de casamento. Após a emissão, o prazo de entrega é de 45 dias. É necessário apresentar original e cópia da certidão de nascimento ou de casamento e duas fotos 3×4, no caso da emissão de RG; e documento com número do Livro e da Folha da Certidão (RG, Carteira de Trabalho ou registro antigo), no caso da certidão de casamento ou nascimento.

As segundas vias de RG solicitadas devem ser apenas para as documentações emitidas em Pernambuco.