Afogados da Ingazeira: 41 crianças receberam vacina errada contra a Covid-19 e estão sendo monitoradas

Quarenta e uma crianças do município de Afogados da Ingazeira, no Sertão de Pernambuco, com idades entre 6 e 11 anos, receberam a vacina contra a Covid-19 errada. Ao invés da Pfazer pediátrica, indicada pelo Ministério da Saúde para este público, foram aplicadas doses do imunizante da Janssen, destinada a adultos.

As crianças serão observadas pela Secretaria Municipal de Saúde por 30 dias. O caso aconteceu na última terça-feira (5), na Escola Monteiro Lobato. Seis das 41 crianças apresentaram febre, náusea e vômitos.

De acordo com a Prefeitura da cidade, a aplicação errada ocorreu durante a imunização itinerante na unidade de ensino. Uma das crianças apresentou febre alta e precisou ir a um hospital do município, mas já teve alta médica.

Ainda segundo a Secretaria de Saúde de Afogados da Ingazeira, a profissional que aplicou as doses erradas da vacina está suspensa de suas atividades até a conclusão do processo administrativo instaurado para investigar o caso.

A Superintendência de Imunizações de Pernambuco foi acionada e orientou que não houve prejuízo no esquema vacinal. As crianças que receberam a segunda dose de Janssen serão consideradas com o esquema completo de vacinação. Já as que receberam a primeira dose de Janssen deverão completar o esquema após 60 dias, com a vacina da Pfizer pediátrica, segundo informou a pasta municipal de saúde da cidade.

Confira a nota da Prefeitura de Afogados da Ingazeira na íntegra:

“A Prefeitura de Afogados da Ingazeira vem a público esclarecer que 41 crianças que receberam as doses de vacina diferente do esquema proposto pelo Ministério da Saúde estão sendo observadas. Neste momento a fase mais aguda da reação já passou e apenas uma criança precisou ir ao hospital por ter tido febre alta. A criança já se encontra em casa.

A Secretaria Municipal de Saúde, em contato com a superintendência de imunizações do Estado de Pernambuco, relatou a ocorrência e ao receber resposta de como prosseguir frente ao caso junto ao Programa Nacional de Imunizações vem a público tranquilizar os familiares, e a população em geral, que as crianças que receberam a 2 dose de Janssen consideram-se com o esquema completo de vacinação. Já as crianças que receberam a 1 dose de Janssen, estas deverão completar o esquema após 60 dias, com a vacina da Pfizer pediátrica.

A orientação recebida pelo Ministério da Saúde, além de organizar o esquema vacinal como explicado acima, é de acompanhar as crianças e tranquilizar os familiares.

Informamos ainda que a profissional que aplicou as vacinas está suspensa de suas atividades até a conclusão do processo administrativo instaurado para investigar o ocorrido. Informamos que a mesma poderá perder a função caso comprovada a imperícia”.

Secretaria Estadual de Saúde fala sobre o caso

Por meio de nota, a Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) informou que o Programa Estadual de Imunização de Pernambuco (PNI-PE) foi comunicado sobre o caso e relatou a ocorrência ao Ministério da Saúde (MS).

O PNI-PE deu seguimento a todas as orientações necessárias e condutas a serem realizadas pela secretaria municipal de saúde, que irá monitorar o grupo de crianças por 30 dias“, informou a nota.

A SES-PE ressaltou, ainda, que crianças de 5 a 11 anos devem ser vacinadas com a Pfizer pediátrica e crianças de 6 a 11 anos podem realizar o esquema com vacinas da Coronavac/Butantan, únicas fabricantes liberadas para aplicação no público infantil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Confira a nota da SES-PE na íntegra:

“O Programa Estadual de Imunização de Pernambuco (PNI-PE) informa que já foi comunicado do caso envolvendo 41 crianças que receberam doses incorretas de vacina contra a Covid-19, no município de Afogados da Ingazeira, no sertão do Pajeú. As crianças foram imunizadas com doses da Janssen, fabricante que não está autorizada para aplicação nessa faixa etária.

Após relatar a ocorrência ao Ministério da Saúde (MS) e repassar todas as informações ao órgão federal – que também realiza o acompanhamento dos eventos adversos relacionados à aplicação de vacinas – o PNI-PE deu seguimento a todas as orientações necessárias e condutas a serem realizadas pela secretaria municipal de saúde, que irá monitorar o grupo de crianças por 30 dias.

As crianças que receberam como 2º dose a vacina da Janssen – de forma incorreta – não precisarão realizar nova dosagem e estão com o esquema vacinal completo. Já as crianças que receberam a 1º dose, deverão completar o esquema após 60 dias, com a vacina da Pfizer pediátrica.

O PNI-PE lembra, ainda, que crianças de 5 a 11 anos devem ser vacinadas com a Pfizer pediátrica e crianças de 6 a 11 anos podem realizar o esquema com vacinas da Coronavac/Butantan, únicas fabricantes liberadas para aplicação no público infantil pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Além disso, a vacina contra a Covid-19 em crianças de 5 a 11 anos exige um intervalo de 15 dias (antes ou depois) entre as demais do calendário de imunizaçã”.o do público infantil

Lewandowski manda MP punir pais que não vacinam filhos contra a Covid

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal, determinou nesta quarta-feira (19) que o Ministério Público de todas as unidades da federação fiscalizem pais que se recusam a vacinar os filhos contra a Covid. Ele acolheu um pedido da Rede, mas foi além, pois o partido queria que a fiscalização e as multas fossem feitas pelos conselhos tutelares.

Em ofício aos chefes dos MPs, enviado “com urgência”, o ministro mandou que eles “empreendam as medidas necessárias” para a vacinação das crianças, o que pode incluir, em princípio, aplicação de multa de 3 a 20 salários mínimos, e o dobro em caso de reincidência. Na decisão, ele ainda citou normas do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) que permitem ao MP promover “medidas judiciais e extrajudiciais cabíveis” e pedir à Justiça aplicação de penalidade, “sem prejuízo da promoção da responsabilidade civil e penal do infrator”.

No início de janeiro, o Ministério da Saúde aprovou a disponibilização da vacina da Pfizer para as crianças de 5 a 11 anos, seguindo recomendação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), mas ressalvou que ela não seria obrigatória. A Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Conselho Federal de Medicina (CFM) não consideram que a vacinação de crianças seja prioridade.

A Rede acionou o STF para forçar os pais a vacinarem seus filhos, com base no ECA, que diz que “é obrigatória a vacinação das crianças nos casos recomendados pelas autoridades sanitárias” – a Anvisa, porém, não manifestou-se pela obrigatoriedade da vacinação contra a Covid em crianças, apenas recomendou sua aplicação no público infantil, ressaltando que a decisão, inclusive quanto à disponibilização, caberia ao Ministério da Saúde.

Vacinação volta a normalidade nesta Quarta em Ouricuri, diz PNI

De acordo com informações repassadas pelo PNI – Programa Nacional de Imunização Municipal de Ouricuri, por meio do coordenador PAULO LIBÉRIO BÓRGES DE CARVALHO, repassados à nossa redação, a vacinação terá início nesta quarta-feira, 19 de janeiro com os grupos de crianças que possuem doenças neurológicas, síndrome de down e autismo.

Nesta terça-feira, houve uma reunião com os técnicos de enfermagem sobre esse novo grupo de vacinação que são as crianças de 5 a 11 anos.

Com chegada de mais vacinas iremos avançar para as crianças com comorbidades e depois seguiremos para avançando para vacinar as crianças sem comorbidades seguindo a faixa etária decrescente, a partir dos 11 anos de idade até chegar as crianças de 5 anos” disse o coordenador.

Sobre a vacinação de adultos, especialmente as doses de reforço, o coordenador assegurou que os postos do municípios estarão abastecidos a partir dessa quarta-feira (19).

Confira o total de casos, curas e mortes de Covid-19 no dia 10 de janeiro em Petrolina e região

Segundo boletins divulgados na noite do domingo (9) e nesta segunda (10), na área de cobertura do g1 Petrolina já foram registrados 89.005 casos, 85.503 curas e 1.556 mortes.

O estado de Pernambuco totaliza 649.262 infectados e 20.507 óbitos devido à doença, de acordo com o mais recente boletim. Segundo boletins divulgados na noite do domingo (9) e nesta segunda (10), pelas Secretarias Municipais de Saúde, na área de cobertura do g1 Petrolina já foram registrados 89.005 casos, 85.503 curas e 1.556 mortes.

Casos confirmados do novo coronavírus no Sertão de Pernambuco

Hospital de ouricuri exigirá de acompanhantes e visitantes comprovante de vacinação

 

Após à pandemia e o aumento de casos no ouricuri-pé e região o Hospital Regional Fernando Bezerra exigirá de acompanhamentes é visitantes a carteira de vacinação do COVID-19 para os pacientes e bom levar a sua carteira de vacinação do COVID-19

Após aumento de casos de Covid-19 e da H3N2, Paulo Câmara deve anunciar restrições a festas privadas de Carnaval nesta segunda-feira (10

O aumento nos casos de Covid-19 e da H3N2 em Pernambuco, forçou o Governo para realizar uma reunião do Gabinete de Enfrentamento à Covid-19 na próxima segunda-feira, 10 de janeiro, marcada para as 14h30 pelo caráter deliberativo. A reunião será comandada pelo governador Paulo Câmara.

A discussão sobre a não realização de eventos públicos no Carnaval será discutida novamente, pois os prefeitos de vários municípios pediram uma regulamentação geral ao chefe do Executivo estadual para nivelar a situação. Nos bastidores da gestão, há uma expectativa de que o governador anuncie restrições também às festas privadas.

Em conversas reservadas, prevalece um argumento de que, diante do avanço da influenza, da Covid-19 e da atual conjuntura sanitária, o mais sensato é começar a restringir por esse setor. Isso acontece, pois há um clamor dos municípios, já externado na reunião promovida pela Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe) com presença de representantes de 150 das 184 cidades, para inibir esses festejos.

Em Pernambuco, mais de 70 municípios anunciaram cancelamento do Carnaval de rua e aguardam novo protocolo em relação às aglomerações, mesmo aquelas com controle de entrada.

Após a reunião, por videoconferência, com a Amupe, na sexta-feira, 7 de janeiro, o secretário estadual de Saúde, André Longo, deixou claro que, na reunião da segunda-feira, uma série de temas serão abordados, inclusive a possibilidade de novas restrições.

Gripe e Covid provocam falta de remédios e insumos em PE: ‘situação é grave’, diz presidente de conselho de secretários de saúde

Por causa associação da epidemia de gripe e da pandemia de Covid-19, municípios pernambucanos alertam para a falta de remédios e insumos básicos. Segundo o presidente do Conselho de Secretários Municipais de Saúde (Consems), o médico Edson de Souza, em algumas cidades não há mais dipirona, soro e Tamiflu, antiviral usado em doentes com Influenza. “A situação é grave”, disse.

Nesta sexta (7), representantes do conselho e prefeitos participaram de uma reunião com o governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB). Gestores municipais pediram que o estado reveja os protocolos e restrinja eventos grandes, como as festas de carnaval privadas.

Esta semana, o Recife suspendeu os festejos de rua e disse que pode fazer carnaval fora de época ainda em 2022. Olinda, Jaboatão dos Guararapes Ipojuca, no Grande Recife, e Bezerros, no Agreste, cancelaram a festa.

No encontro de gestores, realizado por videoconferência nesta sexta, foram discutidas medidas para enfrentar a saturação na rede de saúde.

Brasil terá vacina 100% nacional contra o COVID-19

 

Com a transferência de tecnologia concluída, a vacina terá todas as suas etapas de produção realizadas no país

Com a transferência de tecnologia concluída, a vacina terá todas as suas etapas de produção realizadas no país

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou, nesta sexta-feira, 7, a inclusão do Insumo Farmacêutico Ativo (IFA) fabricado pela própria Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) na fabricação da vacina contra a Covid-19 da Instituição. Na prática, a fundação concluiu a transferência de tecnologia que teve início no ano passado e recebe a autorização para produzir uma vacina totalmente nacional, com todas as etapas realizadas no Brasil.

A agência reguladora avaliou os estudos de comparabilidade, que demonstram que, ao ser fabricado no país, o IFA mantém o mesmo desempenho que a vacina importada. Em maio do ano passado a Anvisa já havia feito a Certificação de Boas Práticas de Fabricação do novo insumo, garantindo que a linha de produção cumpra todos os requisitos necessários na garantia da qualidade do insumo.

A Fiocruz vinha realizando a produção de lotes testes para obter a autorização de uso do IFA nacional na vacina Covid-19 (recombinante). A vacina da AstraZeneca/Fiocruz está autorizada no Brasil desde 17 de janeiro de 2021 e recebeu o registro definitivo em 12 de março do mesmo ano.

Fonte: jovem pan