Governo Federal pode estender o auxílio emergencial com valor do Bolsa Família

O secretário de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, disse nesta quinta-feira (21) que o Governo Federal vai chegar a uma “solução intermediária” sobre a extensão do auxílio emergencial de R$ 600.

A solução seria reduzir o valor para a mesma quantia paga aos beneficiários do Bolsa Família, cujo benefício médio foi de R$ 191,86 em março.

O secretário Waldery Rodrigues disse que a pasta chegará a uma “solução intermediária”, mas “não com o mesmo perfil de hoje”, afirmou. O ministro Paulo Guedes (Economia) já disse que o valor pode cair para R$ 200.

“Chegaremos a uma solução intermediária, não com o mesmo perfil de hoje. E uma possibilidade, o referencial [de valor do auxílio emergencial], é exatamente o valor trazido pelo Bolsa Família”, declarou Waldery Rodrigues.

O auxílio emergencial tem custado próximo de R$ 151,5 bilhões em 3 meses. Quando foi aprovado, a projeção inicial era de que o governo teria despesas de R$ 98,2 bilhões no período.

“Como são em 3 parcelas, dá uma média de R$ 51,5 bilhões por mês. Portanto, é 1 auxílio que tem custo relevante para a sociedade. Ele é, por exemplo, mais que o Bolsa Família do ano todo. O auxílio emergencial de 1 mês custa mais que o Bolsa Família do ano todo”, declarou Waldery Rodrigues.

A equipe econômica foi orientada pelo ministro Paulo Guedes a atender aos mais vulneráveis, mas com “olhar diligente e cauteloso em relação à situação fiscal”, segundo o secretário.

“Neste momento de pandemia em que há uma alta imprevisibilidade de quando será o seu término, nós estamos atentos para que o auxílio emergencial siga, mas de forma adequada a cada momento”, afirmou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.