Paulo Câmara assume Consórcio Nordeste

Grupo de governadores é acusado de desviar R$ 49 milhões na compra de respiradores durante a pandemia

O governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), assumiu mais uma tarefa a partir de hoje, quando assume a presidência do Consórcio Nordeste. A solenidade de posse foi realizada no Salão das Bandeiras, no Palácio do Campo das Princesas, às 10h. Dois grandes desafios já se apresentam para o socialista enquanto novo comandante da entidade: as eleições estaduais e a pandemia da Covid-19.

Para Paulo Câmara, o ano de 2022 já iniciou com demandas importantes. Com o aumento de casos da Covid-19 nas últimas semanas, o governo precisou apresentar novas regras de restrição que passaram a valer em todo o estado desde a última sexta-feira. Com a aproximação das eleições estaduais, o socialista, vice-presidente nacional do PSB, também é o responsável pela definição de um nome que encabeçará a chapa majoritária da Frente Popular em Pernambuco, mistério que deve ser revelado ainda este mês. Além dessas demandas, a partir de hoje, Câmara será oficialmente novo presidente do Consórcio Nordeste.

Ao assumir a presidência do Consórcio Nordeste, Paulo Câmara substituirá o governador do Piauí, Wellington Dias (PT), que passou a presidência para o gestor pernambucano ainda em novembro do ano passado, na sede do Consórcio Nordeste para Assembleia Geral, em Brasília, sucessão que será oficializada hoje durante a solenidade de posse.  Câmara assume a presidência do grupo em um ano duplamente desafiador, por causa de dois fatores pertinentes: eleições estaduais e pandemia.

Com a aproximação das eleições estaduais, este ano os governadores estarão envolvidos com a definição de seus destinos políticos, tendo em vista que dos nove gestores que compõem o Consórcio, apenas dois poderão tentar a reeleição, são eles: o governador da Paraíba, João Azevedo (Cidadania), e a governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra (PT). Portanto, Paulo Câmara terá como um dos principais desafios manter o clima de integração entre as partes, em meio às movimentações políticas.

Desvios

Uma CPI investiga os desvios das verbas destinadas ao combate à covid-19 no Rio Grande do Norte. Instaurada na Assembleia Legislativa do Estado, a comissão seguiu a trilha do dinheiro até uma compra de 300 respiradores feita pelo Consórcio Nordeste, que reúne todos os governadores daquela região do país.

Conforme revela a reportagem de capa desta semana da Revista Oeste, os parlamentares descobriram que quase R$ 50 milhões foram gastos sem que nenhum aparelho fosse entregue. Três políticos petistas, entre eles o governador Rui Costa, da Bahia, e o prefeito Edinho Silva, de Araraquara, podem estar envolvidos no esquema.

De acordo com o deputado Kelps de Oliveira Lima (Solidariedade-RN), que preside os trabalhos de investigação, é “estarrecedor” que o Consórcio Nordeste ainda exista.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.