Ibama flagra crime ambiental em Bodocó e outras cidades do Sertão

Uma grande fiscalização do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis em Pernambuco (Ibama-PE) embargou um total de 425 hectares – mesmo número em campos de futebol – de área desmatada ilegalmente no Sertão pernambucano. Os agentes ambientais identificaram expressivas clareiras (espaços abertos em meio à vegetação) nos municípios de Petrolina, Afrânio, Bodocó e Serra Talhada, região onde prevalece o bioma Caatinga.

A ‘Operação Mandacaru’, que visa coibir a exploração e o desmatamento irregular do ecossistema, resultou na aplicação de 14 autos de infração que, juntos, somam uma multa de R$ 430 mil. A equipe ainda identificou desmatamento em Queimada Nova, no Piauí. A operação foi realizada nas última duas semanas.

De acordo com o chefe de fiscalização do Ibama-PE, Amaro Fernandes, a vistoria foi exitosa porque, diferentemente das anteriores, o órgão ambiental teve apoio de imagens captadas por satélites. O método inovador é utilizado em fiscalizações feitas na Amazônia e agora está sendo replicada para toda a Caatinga nordestina

As áreas que sofreram supressão, detalha Fernandes, serviam de grandes pastos para a criação de gado. Entre as apreensões, os agentes ambientais confiscaram 319 mourões (estacas mais grossas) de aroeira, espécie endêmica da Caatinga protegida por lei federal.

Extinção

Ameaçada de extinção, esse tipo de árvore atinge mais de 20 metros de altura e, por apresentar madeira resistente e alto valor comercial, é alvo de traficantes de madeira. Além da aroeira, outras espécies do bioma também são protegidas, como o cedro, angico, cumaru, jucá e o ipê. (Da FolhaPE)

Fiepe do Araripe realiza oficina sobre Licenciamento Ambiental

A Unidade Regional Sertão do Araripe da Federação das Indústrias do Estado de Pernambuco (Fiepe) realizou na última quinta-feira (23), a oficina sobre Licenciamento Ambiental sob orientação do Engenheiro Florestal e Mestre em Ciências Florestais pela UFRPE, Moisés Silva dos Santos da Eco-Lógica Brasil.

A capacitação com duração de 8 horas abordou temas atualizados sobre o licenciamento ambiental dando aos mais de 30 participantes entre empresários, universitários, gestores públicos e consultores, as modernas práticas que estão em consonância com as Legislações. O licenciamento ambiental é o procedimento administrativo pelo qual o órgão ambiental competente (municipal, estadual ou federal) licencia as atividades que utilizam recursos ambientais.

A oficina também apresentou, com exemplos práticos, os seis tipos de licenças: licencia prévia (LP), licença de instalação (LI), licença de operação (LO), licença simplificada (LS), licença de regularização (LR) e licença de regularização e operação (LRO).

Além de expor o passo a passo para a obtenção de cada tipo de licença, Moisés Santos abordou o contexto legal do licenciamento fazendo a análise jurídica da Constituição Federal, da Política Nacional de Meio Ambiente (Lei Federal nº 6.938/81) e da Lei Estadual nº 14.249/2010 que dispõe sobre o Licenciamento Ambiental de Pernambuco.

Os participantes também aprenderam sobre os princípios ambientais da prevenção, da precaução, do poluidor-pagador, da responsabilidade, da gestão democrática e do limite. Para o instrutor, a oficina proporcionou uma abordagem ampla e detalhada sobre o licenciamento ambiental dando aos inscritos uma visão global e atualizada.

A oficina sobre licenciamento ambiental é uma realização da Fiepe que capacita empresários do setor industrial em diversos temas atuais buscando o desenvolvimento da indústria pernambucana. O próximo curso será em julho, na cidade de Araripina, sobre estratégias de venda.

Agenda Ambiental da FIEPE debate soluções em Araripina

dsc_5814A Unidade Regional Sertão do Araripe da Federação das Indústrias do Estado de Pernambuco – FIEPE realizou no dia 13 de setembro a Agenda Ambiental que tem por objetivo fomentar o debate sobre meio ambiente e elencar ações que fazem parte de um documento que norteará a atuação da FIEPE.

A Agenda Ambiental do Araripe reuniu empresários da indústria, universitários, consultores ambientais, professores com atuação na área ambiental e representantes de instituições que atuam no setor industrial como SEBRAE, ITEP, SENAI e SINDUSGESSO. A temática foi apresentada pelo Gerente do Núcleo de Relações Industriais da FIEPE, Abraão Rodrigues que destacou a atuação da Federação das Indústrias na promoção das discussões e na formulação de soluções que atendam à indústria e respeitem o meio ambiente.

Para construir um documento com propostas e ações para o meio ambiente, a consultora Vera Barbosa, da GEMAS Consultoria, mediou a discussão entre os participantes que, divididos em grupos, elencaram questões a serem debatidas e suas causas, resultados e ações. Dentre os temas apresentados pelos grupos, destacam-se a matriz energética para o polo gesseiro, o incentivo à inovação tecnológica, a destinação correta dos resíduos industriais entre outros.

Vera Barbosa ressaltou que a sustentabilidade deve estar alicerçada dentro das empresas com base na visão e estratégia, governança e gestão, e principalmente na parte social e ambiental. Ele afirmou que o cuidado com o meio ambiente é um diferencial competitivo para as empresas. “As práticas sustentáveis dentro das empresas serão um dos diferenciais para o mercado. Isso vai crescer ainda mais no futuro, pois sairá na frente as empresas que são ambientalmente corretas e respeitam o meio ambiente”.