Fraude em pesquisa eleitoral, leva proprietário da DATARESULT se desculpa com população de Santa Filomena

Jailson

O Empresário Jailson Araújo Mangabeira, proprietário da Empresa Data Results Pesquisas localizada na Av Souza Filho, 553, Sala 114 Imperial Center, Centro, Petrolina, PE, em público pede desculpas a população de Santa Filomena-PE por manipulação de dados em Pesquisa Eleitoral realizada nos dias 01 e 02 de Agosto do corrente mês onde favoreceu o atual prefeito Pedro Gildevan.

A pesquisa está registrada no TRE-PE (Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco) sob o nº 04035/2016.

Entenda o caso: A Empresa Data Results Pesquisas, possui uma Parceria com Ricardo Banana-Banana Promoções e Eventos e Gilberto Lopes, segundo Jailson os dois pegaram os formulários de entrevistas para realização de Pesquisa Eleitoral para Prefeito nas Eleições municipais de 2016 no Município de Santa Filomena-PE. Porém, o acordo da parceria é que os dados só podem ser divulgados após a conferência dos Formulários de entrevistados por Jailson Mangabeira que é o proprietário da Empresa Data Results Pesquisas, mas, isso não ocorreu e a mesma foi registrada fora dos parâmetros estatísticos de pesquisa. Afirma Jailson. (Do Diario Popular) 

Fraude no “Minha casa, Minha vida”, Polícia Federal disse que construtora vendia imóveis em Ouricuri e outras cidades de cinco Estados

MINHA CASA MINHA VIDA OURICURI

A Polícia Federal (PF) informou que o esquema de fraude contra a Caixa Econômica Federal em Alagoas descoberto em 2012, foi desarticulado nessa quinta-feira (28) e que o fraude deu prejuízo de R$ 220 milhões à instituição. Segundo a Polícia Federal, além de Alagoas, o esquema criminoso envolvia construções do programa Minha Casa, Minha Vida em Pernambuco, Bahia, Sergipe, Paraíba e Rio Grande do Norte.

Segundo as investigações, os envolvidos construíram casas em cidades e as vendiam, utilizando-se do subsídio oferecido pelo programa do governo federal. Os donos de construtoras ofereciam dinheiro para que as pessoas comprassem as casas, mesmo sem ter a renda necessária para fazer parte do programa. Isso acarretava em vantagem indevida no valor real destes imóveis.

Por meio de nota, a Caixa Econômica informou que descobriu o esquema e deu início a uma investigação interna, mas só no ano seguinte a Polícia Federal foi comunicada e começou a apurar a denúncia. O delegado da PF Antônio Carvalho explicou que as construtoras envolvidas eram de Alagoas, mas que havia contratos feitos em Teotônio Vilela (AL) para outros estados.

Mesmo sendo em outros estados, o grupo levava o contrato para ser feito em Teotônio Vilela”, explicou o delegado, ao citar que foi descoberta a fraude em construções de casas em Teotônio Vilela, Serra Talhada (PE), Ouricuri (PE) e outros.

Ainda segundo a Caixa Econômica, os funcionários do banco foram submetidos a um processo de apuração da PF, que já resultou em demissões e suspensões, mas não foi informado o número de demissões. O Banco destacou que continua contribuindo integralmente para as investigações.

Na operação, com o nome de Cabala, vinte pessoas foram conduzidas para a sede da PF, em Jaraguá. Onze empresários e 14 funcionários da Caixa Econômica foram ouvidos pela PF e liberados.

O delegado explicou que o nome da operação remete ao significado no dicionário, que quer dizer fraude, tramóia. (Do G1/Alagoas)