Programa Ganhe o Mundo inscreve alunos de escolas públicas estaduais para intercâmbio

Estão abertas, a partir desta sexta-feira (1º), as inscrições para o Programa Ganhe o Mundo 2018, que oferece intercâmbio para estudantes do ensino médio da rede pública estadual de ensino. Há vagas para nove países: Argentina, Chile, Colômbia, Espanha, Alemanha, Estados Unidos, Nova Zelândia, Austrália e Canadá. As inscrições podem ser feitas até 31 de janeiro de 2018.

Para concorrer às 1.045 vagas na modalidade tradicional do programa, os candidatos devem se inscrever na internet. Para disputar as 25 vagas ofertadas na modalidade esportiva, as inscrições devem ser feitas presencialmente na sede da Secretaria de Turismo, Esportes e Lazer, localizada na Avenida Professor Andrade Bezerra, s/n, no bairro de Salgadinho, em Olinda.

Para participar do programa, é preciso estar regularmente matriculado no 1º ano do ensino médio nas modalidades regular, normal médio, semi-integral, integral ou médio integral em 2017. Também é preciso ter, no mínimo, 14 anos completos até o dia 1º de julho de 2018 e, no máximo, 17 anos completos até 31 de agosto de 2019, além de estar regularmente matriculado no curso de línguas do Programa Ganhe o Mundo.

As datas de embarque estão previstas para o período entre julho e setembro de 2018 e entre janeiro e março de 2019. Os estudantes selecionados pelo programa cursam um semestre letivo em escola de nível médio. Os alunos têm direto a seguro saúde internacional, passagens aéreas, acomodação em casas de família com todas as refeições, além de receberem bolsas mensais cujo valor não foi informado.

A divulgação do edital da modalidade musical ocorrerá no dia 8 de dezembro, de acordo com a Secretaria Estadual de Educação. (Do G1 Petrolina)

Pesquisa revela que Temer é o presidente mais impopular do mundo

O brasileiro Michel Temer é considerado o presidente com maior taxa de rejeição do mundo, atrás até do venezuelano Nicolás Maduro, indicou uma pesquisa do grupo de análise política Eurasia. De acordo com a sondagem, que coletou dados a partir do mês de agosto, Temer detém 3% de aprovação popular, a menor em todo o mundo.

O presidente da África do Sul, Jacob Zuma, que enfrenta denúncias de corrupção, tem 18%. Já o venezuelano Nicolás Maduro, que trava um confronto político interno com a oposição e cujo país fora sancionado em fóruns internacionais devido à censura e prisão de seus adversários, tem 23% de apoio popular.

A lista dos líderes “mais impopulares” conta ainda com o mexicano Enrique Penã Nieto, com 28% de aprovação; a premier britânica, Theresa May, que possui 31% e conduz o polêmico processo de saída do Reino Unido da União Europeia (UE); o norte-americano Donald Trump, com 37%; e o francês Emmanuel Macron, com 45%, que, apesar de recém-eleito, tem gerado reações internas por seus projetos de reformas.

Na quarta-feira (25), Temer se livrou de sua segunda denúncia em três meses. A Câmara dos Deputados negou o prosseguimento da denúncia de obstrução de justiça e participação em organização criminosa, por 251 votos a favor e 233 contrários. (Jornal O Globo)

Professores brasileiros são os que mais sofrem agressões de alunos

As fotos que a professora Marcia Friggi, 51 anos — professora de português há 10 anos — postou, em uma rede social, refletem um a situação que não é isolada: o Brasil é líder em violência contra docentes, de acordo com a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). As imagens mostram o rosto dela desfigurado, com sangue, supostamente resultado da agressão de um aluno de 15 anos do Centro de Educação de Jovens e Adultos (Ceja) de Indaial (SC), na segunda-feira.

Segundo pesquisa da OCDE, 12,5% dos professores brasileiros disseram sofrer violência verbal ou intimidação de alunos, pelo menos uma vez por semana. O Brasil ocupa a primeira posição no ranking. Em segundo lugar aparece a Estônia com 11%, seguida pela Austrália com 9,7%. A pesquisa foi realizada em 34 países, com a participação de 100 mil professores e diretores dos ensinos fundamental e médio.

Outra pesquisa mostra que mais de 22,6 mil professores foram ameaçados por estudantes e mais de 4,7 mil sofreram atentados à vida nas escolas. Os dados são do questionário da Prova Brasil 2015, aplicado a diretores, alunos e docentes do 5º e do 9º anos do ensino fundamental de todo o país. A violência também ocorre entre estudantes: 71% dos mestres presenciaram agressões verbais ou físicas entre eles. As informações estão na plataforma Qedu.

Na postagem feita por Marcia Friggi, ela afirma que não sabe se voltará a dar aula. Segundo ela, depois de uma discussão em sala de aula, em que o aluno a teria insultado e jogado um livro nela, pediu para que o aluno se retirasse da sala. Na diretoria, o aluno negou a versão da professora e a agrediu com tapas e um soco que abriu o supercílio e deixou o olho de Marcia inchado.

“Estou dilacerada por ter sido agredida fisicamente. (…) Estou dilacerada porque me sinto em desamparo, como estão desamparados todos os professores brasileiros. Estamos, há anos, sendo colocados em condição de desamparo pelos governos. A sociedade nos desamparou”, desabafou. Em nota, a prefeitura de Indaial disse que a Secretaria de Educação e a Promotoria avaliarão o procedimento com relação ao aluno. “Após a ocorrência, a família do aluno e o Conselho Tutelar foram acionados até o Ceja. Devido ao tipo de agressão, o caso seguiu para a Promotoria da Justiça da Infância e da Adolescência”. (Do Correio Brasiliense)