Juiz do Recife reconhece direito de Raul Henry de continuar à frente do PMDB-PE

O juiz José Alberto de Barros Filho, da 26ª  Vara Cível do Recife, expediu liminar nesta segunda-feira (2) determinando que o PMDB pernambucano continue sob a presidência do vice-governador Raul Henry.

Segundo ele, o diretório nacional do partido não tem o direito de dissolver o diretório pernambucano, sem justa causa, para entregá-lo ao senador Fernando Bezerra Coelho, como é o desejo do presidente Romero Jucá (RR).

Raul Henry tomou a decisão de ir à Justiça, através do advogado Carlos Neves, especialista em Direito Eleitoral, após ser notificado na última sexta-feira no processo em que se discute a dissolução do diretório regional.

A dissolução foi solicitada pelo filiado Orlando Tolentino (Petrolina), ligado ao prefeito Miguel Coelho (PSB), sob o argumento de que o partido está estagnado em Pernambuco, tendo elegido nas eleições de 2014 apenas um deputado federal (Jarbas Vasconcelos) e dois estaduais (Ricardo Costa e Tony Gel).

O deputado federal e líder da bancada na Câmara, Baleia Rossi (SP), foi designado relator deste processo e foi quem notificou o vice-governador para apresentação de defesa.

Como Raul já tinha dito ao próprio Rossi que o PMDB cresceu 138% nas eleições de 2016 (municipais), em comparação com a de 2012, tendo saltado de 7 para 17 prefeitos e de cerca de 50 para mais de 200 vereadores, chegou à conclusão de que existe um “arrumadinho” na direção nacional para intervir em Pernambuco e por isso recorreu ao Judiciário.

Segundo Carlos Neves, em que pese a Justiça Eleitoral não costumar imiscuir-se em assuntos internos dos partidos, o caso em tela é bastante diferente porque se trata de uma violência contra um diretório legalmente constituído, cuja renovação se deu no último mês de julho.

Sendo assim, a briga pelo controle do PMDB de Pernambuco está “judicializada”, sendo imprevisível saber hoje quem será o vencedor. (Por Inaldo Sampaio)