Deputada Roberta Arraes faz alerta sobre a transmissão do Zika Vírus

A deputada estadual Roberta Arraes (PSB) fez uso da tribuna da Alepe, na tarde dessa terça-feira, para fazer um alerta à população sobre o Zika Vírus. Em seu pronunciamento, a parlamentar falou sobre o resultado de um estudo recentemente divulgado por pesquisadores pernambucanos da Fundação Oswaldo Cruz, que concluiu que o Zika Vírus pode ser transmitido não só pelo Aedes Aegypti, mas também pelo mosquito de gênero Cúlex, mais conhecidos por muriçocas.

Roberta, que apresentará como forma de reconhecimento um voto de aplauso a todos os envolvidos nessa pesquisa, em nome da pesquisadora pernambucana da Fiocruz, Constância Ayres, fez um alerta especial aos gestores municipais, para um reforço no combate do Aedes, como também das muriçocas.

É preciso reforçar as ações preventivas para o combate ao Zika, a microcefalia e a síndrome de Guillain-Barré”, afirmou. Ela lembrou também da importância da valorização dos agentes de saúde e endemias.

Roberta finalizou seu discurso reforçando o seu compromisso com o tema e afirmando que, como presidente da Comissão de Saúde e Assistência Social, irá trabalhar nas buscas de novas formas de fortalecer apoio institucional as pesquisas e ações que promovam esse enfrentamento. “O combate ao mosquito é uma tarefa de todos, unidos com a sociedade venceremos essa luta!”, finalizou. (Da assessoria)

Queimadas atingem linhas de transmissão, e 12 Estados têm falhas de energia

celtins2011_039_jpgDoze Estados do Norte e Nordeste tiveram falhas no fornecimento de energia elétrica nessa terça-feira (30) por conta de queimadas de grande porte que atingiram linhas de transmissão dos subsistemas Norte e Nordeste do SIN (Sistema Interligado Nacional), localizados no Tocantins. Os subsistemas se desligaram às 12h14 e voltaram a operar em conjunto às 13h07. O funcionamento foi totalmente recomposto às 13h40.

As falhas deixaram instável o sistema de fornecimento de energia elétrica dos Estados do Amazonas, Amapá, Pará, Tocantins, Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Sergipe. Não há relatos de problemas ocorridos em hospitais por conta da falta de energia elétrica.

Queimadas

Segundo o ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico), o fogo provocou o desligamento do circuito 3 da linha de transmissão de 500 kV, localizada entre as cidades de Miracema do Tocantins e Colina do Tocantins, operada pela Intesa (Integração Transmissora de Energia). O problema foi registrado às 12h14, quando a linha de transmissão de energia elétrica se desligou e o sistema não conseguiu seu religamento automático.

Em seguida, às 12h49, os circuitos 1 e 2 da mesma linha de transmissão, pertencentes à Eletronorte (Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A) e  à Taesa (Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A), respectivamente, assim como a linha de transmissão em 500 kV Rio das Éguas – Bom Jesus da Lapa II, da Taesa, também se desligaram ao serem atingidos pelas queimadas.

“Em consequência da queda da frequência, houve o desligamento automático de cerca de 2.300 MW de geração, sendo 1.700 MW relativos a usinas térmicas e 600 MW a eólicas, nas regiões Norte e Nordeste. A correta atuação do Esquema Regional de Alívio de Carga promoveu cortes de carga para reequilibrar geração e demanda”, explicou o ONS.

A interligação entre os dois sistemas foi recomposta às 13h07, com o religamento do circuito 2 da linha Miracema – Colinas. Em seguida, foram religados os circuitos 1 e 3. Às 13h21, foi religada a linha de transmissão Rio das Éguas – Bom Jesus da Lapa II. Às 13h40, todo o processo de recomposição das cargas já estava encerrado.

Os dois sistemas foram interligados às 13h07, com o religamento do circuito 2. Depois foram religados os circuitos 1 e 3. Às 13h21, foi religada a linha de transmissão Rio das Éguas – Bom Jesus da Lapa II. O funcionamento dos sistemas foram totalmente recompostos às 13h40.

Com o desligamento das linhas, houve a interrupção de cerca de 3.500 MW de carga, sendo 2.700 MW na região Nordeste (26 % da carga total dessa região no momento) e de cerca de 800 MW na região Norte (14% da carga total da região no momento), segundo informou o sistema de supervisão do ONS. (Do UOL Notícias)