Armando Neto diz que, se Lula estiver com Paulo Câmara em 2018, não terá como votar nele

O senador Armando Monteiro Neto, do PTB, disse, na Rádio Jornal, que se o PT fizer uma aliança com o PSB ele não terá como estar ao lado do ex-presidente, nas eleições de 2018, como ocorreu nas eleições passadas.

“A política é um fato local. Se o ex-presidente Lula estiver ao lado do governador Paulo Câmara em 2018, não terei como votar nele nas próximas eleições”, afirmou, demarcando os palanques das próximas eleições.

No debate com Geraldo Freire, Armando Monteiro disse que o senador Fernando Bezerra Coelho foi mal interpretado, nesta semana, ao falar que seria candidato. Ele disse que FBC colocou seu nome à disposição dos partidos de oposição, como acontece com ele próprio, Mendonça Filho e Bruno Araújo.

Na prática, o senador, que já esteve no palanque do PT, contra os socialistas, busca uma vacina contra as críticas que já recebe dos petistas, pelo interior. Uma das críticas é de que votou a favor da reforma trabalhista, supostamente ‘contra o interesse dos trabalhadores’. (Por JC Online)

Câmara vai votar prestação de contas do exercício financeiro de 2010 do prefeito Ricardo Ramos nesta 5ª

Será votada em sessão extraordinária a partir das 10 horas da manhã desta quinta-feira (16) na Câmara Municipal de Ouricuri (Casa Rodrigo Castor), a prestação de contas da prefeitura municipal de Ouricuri, referente ao exercício financeiro de 2010 do prefeito Ricardo Ramos.

O Tribunal de Constas de Estado (TCE) enviou as contas para apreciação e votação da Casa Legislativa Municipal com a orientação de aprovação com ressalvas.

Maioria dos eleitores ignora líder religioso ao votar, diz Datafolha

Oito a cada dez brasileiros dizem não levar em consideração, na hora de definir o voto para cargos políticos, a opinião de seu líder religioso, aponta pesquisa do instituto Datafolha divulgada nesta segunda-feira (23) pelo jornal “Folha de S. Paulo”.

Entre os 19% que consideram as recomendações de líderes religiosos, 4% só o fazem se o candidato for também ligado à igreja.

Entre os evangélicos (26%) e os neopentecostais (31%), é mais alto o percentual dos que ouvem sacerdotes para definir seu voto.

No total, só 9% dos entrevistados disseram já ter votado em alguém indicado pela sua igreja.

“Os eleitores estão mais autônomos e seletivos, buscando um voto pragmático que ajude na resolução de seus problemas cotidianos”, afirma Mauro Paulino, diretor-geral do Datafolha.

O Datafolha perguntou aos entrevistados ainda se votariam “com certeza”, “talvez” ou “de jeito nenhum” em um presidenciável católico, um evangélico e um ateu.

O cenário mais favorável foi o do católico: 25% votariam nele com certeza, 49% talvez e 16% de jeito nenhum (os 10% restantes vêm de outras respostas, inclusive de quem não quis opinar).

Os índices para o evangélico são, respectivamente: 21%, 46% e 24%.

O ateu levou a pior: só 8% o escolhem com certeza, 33% cogitariam e 52% jamais o elegeriam. Entre neopentecostais, a resistência ao ateu chega a 67%.

A pesquisa apurou ainda que 98% dos brasileiros acreditam em Deus; 32% são evangélicos e, 52%, católicos.

O estudo foi feito nos dias 27 e 28 de setembro, com 2.772 entrevistados de 194 cidades. (Do Valor Econômico)